O Ser Integral
2007-05-02 10:07:17

— Uma reflexão metafísica não dói — 

Fernando Soares Campos

Suponho que exista no corpo humano um ente material ínfimo, uma partícula infinitesimal na qual estaria registrada toda a ciência do universo. Seria a síntese de tudo o que existe: matéria e subjetividades da mente (um chip: corpo e alma). Para melhor entendimento do que pretendo expor, vou chamar essa partícula de Partícula Espírito-Matéria, ou simplesmente o Ser Integral.

Agora suponhamos que todo conhecimento universal até hoje revelado e o infinito potencial de tudo aquilo que possa vir a ser revelado, teorias que venham a ser capazes de explicar toda a formação do Universo e as causas de todos os fenômenos possíveis, pois bem, imaginemos que tudo isso estivesse registrado em uma obra de infinitos volumes e que todos os dias pudéssemos ler um desses volumes. Bom, se são infinitos volumes, certamente não teríamos a mínima chance de ler e estudar toda a obra em uma única existência usando um corpo que se esvai depois de esgotado o prazo de validade, uma vida conforme a conhecemos: nascimento, existência e morte do corpo.
 

C&MM Interativa Administra a NovaE na Internet
Conteúdo para Web, redes sociais, projetos para profissionais liberais, projetos editoriais para empresas, organizações e sociedades.
www.cmminterativa.com.br


O conhecimento, sem dúvida, é infinito, e nisso podemos facilmente crer. Por isso mesmo desenvolvi uma teoria sobre certa partícula infinitesimal de matéria inteligente, a Partícula Espírito-Matéria, o Ser Integral. Uma ínfima partícula de matéria, parte integrante do nosso corpo individual, na qual estariam registrados, através de códigos universais, todos os conhecimentos, todas as ciências, tudo sobre o universo que conhecemos e todo o infinito potencial a ser revelado. Essa partícula seria o verdadeiro centro de comando do ser animal. Nela se encontra o potencial de tudo que necessitamos para evoluir, inclusive a autoconsciência, com ela a vontade, a força de vontade, os impulsos para o auto-aprendizado, decodificando a si próprio.

Sempre imaginamos as grandezas através das imagens geométricas que o mundo exterior se revela a nós. Dessas grandezas nasce em nós a noção de velocidade e conseqüente duração de tempo para percorrê-las. Associamos a existência da matéria a tudo aquilo que impressiona nossos sentidos básicos: visão, tato, audição, olfato, paladar; além de concebermos o imaginário tangenciamento de tudo aquilo que é subjetivo, através dos sentidos emocionais e afetivos, as impressões que nos causam o que acreditamos ser bom ou mau, belo ou feio, agradável ou desagradável, quando apreciamos obras de arte, paisagens, obras literárias, quando torcemos ao assistir competições e nos inter-relacionamentos pessoais.

Em se tratado de matéria, grande para nós é uma montanha, o planeta, uma estrela, o Universo; infimamente pequeno é um átomo (nem precisamos ir além, detalhando suas partículas). Daí a dificuldade do homem comum entender que o conteúdo das obras de uma biblioteca com milhares de volumes impressos possa vir a ser armazenado numa partícula infinitesimal. Entretanto aqueles que conhecem os princípios de funcionamento de um microcomputador podem imaginar a tal Partícula Espírito-Matéria, seus circuitos, códigos e registros.

Os vírus

Os vírus se formam espontaneamente no Reino Mineral e passam a atuar no Reino Vegetal, com autonomia para se movimentarem intracorpos, onde adquirem conhecimento suficiente para desenvolver estruturas organizadas que vão desde as gramíneas às mais frondosas árvores. No estágio vegetal, os vírus adquirem características apropriadas para se desenvolver e evoluir, transmutar-se, atrair elementos para a formação de corpos mais volumosos, um estágio mais avançado que o momento de sua criação no Reino Mineral, de onde sai dotado apenas do potencial, dos circuitos, dos códigos. Os registros (softwares) produzidos e instalados na sua massa são suficientes apenas para locomoção, alimentação e reprodução. Da vasta experiência adquirida no Reino Vegetal, instalando softwares mais avançados, passam para o Reino Animal, criando corpos autônomos, que vão desde as amebas até o maior dos mamíferos.

Partícula Espírito-Matéria no corpo humano

O espírito (a alma) do corpo animal emana da partícula, onde todos os conhecimentos estão gravados, além de codificado para interpretar e agir diante de qualquer situação. Para entrar em contato com o mundo exterior, a dimensão imediata, no plano material, o Ser Integral cria mecanismos, como, por exemplo, os órgãos e sistemas apropriados para locomoção do corpo denso, e a sua cabine de comando é a massa encefálica, o seu principal invólucro.

Toda experiência adquirida, toda etapa vencida, tudo é registrado na massa encefálica. É como se instalasse softwares no hardware adequando para o contato imediato com o mundo de matéria densa. A massa encefálica é um aparelho grosseiro, apropriado para transmitir a cada órgão do corpo humano uma cópia dos seus interesses específicos, do que aquele órgão precisa para o seu funcionamento. Essa é a forma de fazer o organismo colocar os sistemas orgânicos em funcionamento sem que precisemos estar comandando conscientemente cada órgão e cada sistema orgânico. Em cada órgão se localiza uma Partícula Espírito-Matéria mais evoluída que as demais, em fase de aprendizado, certamente menos evoluída que ao Ser Integral comandante da unidade corpórea. Assim, o coração funciona de forma autônoma, porém integrado a todo o organismo. Nele a Partícula Espírito-Matéria-Aprediz domina conhecimentos sobre as funções cardíacas. Caso ocorram pequenas irregularidades no órgão, imediatamente a partícula aprendiz tenta resolver por si mesma, através de sua liderança em relação às partículas aprendiz de válvula, aprendiz de artéria, aprendiz de célula... Em casos de agravamento, solicita socorro imediato à partícula trabalhadora aprendiz-gerente do sistema circulatório. Casos de extrema gravidade são enviadas mensagens para o competente departamento cerebral.

A massa encefálica registra todo o conhecimento adquirido no período de cada existência. Quando nascemos, o cérebro traz, numa região ultraprotegida, todos os conhecimentos conscientemente adquiridos em todas as existências, desde as mais elementares noções matemáticas, éticas, científicas. Tudo adquirido desde quando a partícula se desdobrava para decodificar as primeiras impressões do universo, ainda como um vírus, até a última existência na forma humana. Todo esse conhecimento permanece latente, mas é o que facilmente pode vir à consciência do indivíduo.

Alma e matéria são indissociáveis.

Um corpo humano poderia até se desintegrar sob o efeito, por exemplo, de uma explosão de uma bomba atômica, mas a partícula infinitesimal inteligente, aquela que registra todo o conhecimento do universo, sobrevive, como todos os átomos do corpo desintegrado. Todos as demais partículas teriam registros de suas funções no corpo que ocupa momentaneamente, ou onde esteja de passagem, evoluindo.

Aquele Ser Integral conscientemente cria condições de sobrevida no mundo quintessenciado, sobrevive com todos os registros, as decodificações realizadas desde que se libertou do Reino Mineral, como um vírus, até quando abandona o mais denso corpo humano que usou para manter contato com o universo exterior. No mundo de matéria quintessenciada, usa energias sutis para reproduzir a forma humana, e geralmente o faz assumindo a última forma como viveu durante a última encarnação. Quando encontra oportunidade e se faz necessário, costuma entrar em contato com o mundo material, este em que nos encontramos. E isso que a gente chama de espectro (fantasma) é a projeção daquela partícula infinitamente pequena, o Ser Integral, ele sabe usar a matéria eterificada na dimensão que foge às suas percepções quando estamos usando este corpo denso, onde a partícula autoconsciente decodifica-se, a cada etapa, até apreender o suficiente para não mais precisar deste corpo denso.

"A imaginação é mais importante que o conhecimento", Albert Einstein.
.
 

    







Este espaço é mediado, sua mensagem será liberada após a leitura da NovaE

Nome:
E-mail(Não será publicado):
Manifeste-se:
Código:
Digite o código:


*angela nadjaberg ceschim oiticica*
Inserido em: 2007-11-07 23:41:18

Concordo com o autor:"o conhecimento é infinito."


*eu*
Inserido em: 2007-05-29 11:45:46

Ler q é interessante tá massa?
fui!!!!!!!!!!!!!


*Jack Feliciano*
Inserido em: 2007-05-14 21:09:15

Olá, Fernando,

Como neofranciscano, devo concordar com os teus argumentos... em determinado grau de abstração, sim.

Mas tanto quanto concordo, concomitantemente, com o "juízo final" de alguns cristãos e com o "moksha" de maior parte dos hinduístas. Em dado nível percebemos as coisas de uma forma, em outro - mais ou menos abstrato - podemos concebê-las diferentemente. E nada deixa de ser real... tão real como algo pode ser - como concepção da consciência.

Para fins didáticos, no entanto, acho muito difícil descrevermos (e sustentarmos com argumentos coerentes e consistentes) algo de "concreto" em si mesmo... uma existência "pura e simples" para o objeto filosófico. Penso que seja talvez demasiado temerário dizermos que algo "exista" - apenas. Qual seria a sustentação para esse existir? Em minha própria abstração (solipsista, inclusive), considero que nada pode existir senão for único. Ser for dual - purusha-prakriti - é transitório, uma projeção subjetiva equivocada.

Assim sendo, sua partícula infinitesimal não teria sustentação lógica se considerada num universo onde coexistissem também conceitos como "múltiplas existências" e "muitas mentes"... apenas se no sentido de "um", de identidade atma-brahma, de Eu.

Jack Feliciano
InFolk - Centro de Difusão do Paradigma Neural
www.infolk.org


*Cristian Luis Sfiro*
Inserido em: 2007-05-08 19:30:44

Amigo Fernando, parabens pelo texto! É complexo e instigante e muito bom. Principalmente para um atéu convicto como eu... Certamente vc está a par da teoria das Supercordas, não? Basicamente tudo no Universo seria constituido por vibrações destas cordas. Possível relação com a idéia que vc expôs?


*Xenon M G*
Inserido em: 2007-05-08 15:57:12

Caro Fernando:
Seu artigo resume bem e de forma didática, as idéias que vemos em Robert Coon, Sondra Ray, Prof. Laércio Motta, Brien Greene, e muitos outros que abordam a infinitude da vida e dos corpos. Parabéns!!!

Tenho um site sobre Mentalismo em www.mentalismo.net e um Grupo no Yahoo.

O Mentalismo abrange todas as áreas esotéricas e exotéricas. Até mesmo o relativamente recente UCEM - Um Curso Em Milagres, revela esta verdade. Também o temos observado na Física Moderna que vem se assombrando e em seguida demonstrando o quanto a esfera transcendental reflete e até determina o nosso cotidiano conforme o conteúdo da nossa mente. O Grupo MENTALISMONET, do Yahoo, foi criado para dar oportunidade a todos de trocarem experiências e ensinamentos sobre o Poder da Mente Humana e das formas de utilizá-lo. São muitos os caminhos e também muitas as dificuldades. É trocando idéias e experiências que alcançaremos uma ajuda mútua. É preciso vencer o ego e fazer surgir nosso verdadeiro EU que é aquele realmente anunciador de nossa realidade. Essa realidade é sempre gratificante. Só nos resta descobrir e praticar sem desistir. Contamos com a sua colaboração.
Abraços e Obrigado.
Xenon – o Mentalista.
O link do Grupo é: http://br.groups.yahoo.com/group/mentalismonet/. Se quiser se associar, sugiro que encaminhe artigos como esse para ajudar outros.
Muito obrigado,
Xenon - o Mentalista.


*Cláudia*
Inserido em: 2007-05-06 22:03:31

Primeiramente um texto instigante, que faz pensar, refletir...ótimo.
Penso a respeito de toda uma concepção budista a respeito do todo que se constitui o universo, das loucas ligações que existem dentro dele, e tbém do pouco que conheço sobre física quântica, essa relação do indivíduo-universal, das ligações do particular com todo e vice-versa...e inspirada por isso penso sobre a importância de nossas atitudes, de como somos responsáveis por um todo, um universo que construímos a cada dia...

Caro Francisco G. Nóbrega, como estudante de artes me senti duplamente incomodada com seu comentário a respeito da imaginação: sua visão a respeito de arte e imaginação me incomodam porque me parecem demasiadamente preconceituosas(para não dizer extremamente ignorante). Me parece que vc é incapaz de compreender a vida que vai além de um limitado meio científico e ignora q existem outros caminhos para o conhecimento, alías muitos, eu diria como Fernando Soares Campos que os caminhos são infinitos...Pelo visto vce mau leu o texto, é uma pena...Continuando, lastimo que suas idéias a respeito de arte sejam tão atrasadas, tanto qto seu pensamento que pelo visto está estagnado no século XVI com Francis Bancon...

ps: uma dica, leia o texto dinovo com menos pretensão e vaidade e com mais liberdade


*Édico Ramon*
Inserido em: 2007-05-06 19:01:14

Caro Fernando,

Excelente texto! Em alguns momentosd a leitura, estava visualizando como o homem fará para criar uma máquina quase perfeita, baseado em sua teoria.

Logo depois, encontrei um sentido mais fantástico ao Ser Integral, nem por isso menos relevante, o conhecimento... é literalmente tudo!!!!


*Jackson Rubem (Alves dos Santos)*
Inserido em: 2007-05-05 20:40:40

Caro Fernando,

Seu texto é original e apresenta uma teoria que entre choque com alguns conceitos de cientistas.
Acho que somente partindo para sua linha de raciocínio se pode explicar muita coisa misteriosa neste mundo. Quando você diz:

"o Ser Integral cria mecanismos, como, por exemplo, os órgãos e sistemas apropriados para locomoção do corpo denso, e a sua cabine de comando é a massa encefálica, o seu principal invólucro".

Há algum meio de comprovar isso, fora o campo da fé?

Gostei do texto O SER INTEGRAL.
Parabéns.

Abraços de Jackson Rubem
Editor do jornal O Brasileirinho
www.obrasileirinho.com.br


*cesar*
Inserido em: 2007-05-05 14:12:13

Caro Fernandes Soares!
Adorei seu artigo, eu nao posso entrar a fundo, porque nao tenho conhecimento suficiente para debater, mas esse artigo serviu para eu criar um olhar diferente de diversas coisas, essas partículas infinitesimais, passam de "corpo para corpo" fininitamente carregando conhecimento, e pelo que entendi se conseguissemos desvenda-los teriamos todo conhecimento que existe em nossas maos? Só que la vai uma pergunta!! Seriamos nós merecedores desses conhecimentos? Teriamos condições para decifra-los após "estudado" Será que esses nao pertence ao "criador" a força que rege o universo?? Como disse nao tenho muito fundamento para debater a fundo, mas adorei mesmo esse artigo


*José Lopes*
Inserido em: 2007-05-04 23:56:29



"Há indivíduos para os quais os raciocínios de nada adiantam. Visto que eles não raciocinam. Não raciocinam nem lêem. Não lerão estas coisas, mas as julgarão; julgá-las-ão sem mais nem menos do alto de sua importância, por meio de um argumento invencível: "Não creio porque não creio!" É simples, fácil e peremptório. - "Não admito tais coisas!" Perdeis o tempo em me contar vossas histórias!"
Os críticos dessa escola são tão velhos quanto o mundo. Sempre os houve e sempre os haverá."
Conde de Gasparin.
"Des Tables Tournantes, du Surnaturel en Général et des Espírits".


*Francisco G Nobrega*
Inserido em: 2007-05-04 15:56:07

“A imaginação é mais importante que o conhecimento” Albert Einstein.
Esta frase é freqüentemente citada no sentido de estimular as pessoas à “livre associação”, ao devaneio sem freios ou limites. Pode parecer que Einstein contribuiu da maneira fantástica (que poucos podem compreender) usando “imaginação”. Errado, Einstein estudou em excelente universidade, freqüentou bastante o laboratório para se inteirar dos métodos da física experimental e pôde assim ter uma visão completa (muito “conhecimento”) dos problemas e áreas não resolvidas da física de seu tempo. Depois que um estudioso sabe muito sobre seu campo de interesse, como Einstein, pode realmente se beneficiar da imaginação para acelerar o encontro de soluções corretas. Mas sem conhecimento sólido, a imaginação não leva ao conhecimento, pode inclusive levar ao delírio. Eventualmente leva à arte que é bela e nos inspira. Mas não ao conhecimento verificável e consensual ou seja científico. Francis Bacon (1561-1626) foi um dos primeiros a se insurgir contra o uso isolado da mente (imaginação) na busca pelo conhecimento, contra a concepção derivada de Aristóteles de que a mente auxiliada pela lógica formal pode levar à verdade sobre o mundo natural.



*Aldo Luiz de Paula Fonseca*
Inserido em: 2007-05-04 14:42:45

Caro Fernando Soares Campos
"...E isso que a gente chama de espectro (fantasma) é a projeção daquela partícula infinitamente pequena, o Ser Integral, ele sabe usar a matéria eterificada na dimensão que foge às suas percepções quando estamos usando este corpo denso, onde a partícula autoconsciente decodifica-se, a cada etapa, até apreender o suficiente para não mais precisar deste corpo denso." Apoiando-me neste excelente texto, rogo licença para relatar o fato que resumo a seguir: em 1994, juntamente com minha família, estavamos na Av.Princesa Isabel, Túnel Novo em Copacabana, em um ponto de ônibus movimetadíssimo, quando eclode um tiroteio. Olho na direção dos disparos e vejo o atirador e uma das balas vindo em nossa direção. Ia direto ao pescoço de minha mulher, lutei para tira-la da linha do tiro e consegui, apesar de estar agora numa "camera lentíssima", em uma dimensão temporal que jamais experimentara e que estava eu agora na linha da bala, tudo sempre numa dimensão de tempo imprecionantemente lenta e que depois calculei não ter ultarpassado segundos, o tempo da bala atravessar uns sessenta metros até mim. Já me dava por alvejado quando alguém de mãos grandes me empurrou pelas escapulas, o suficiente para salvar o coração e atingir o braço, vi a bala entrar pela manga da camisa. Voltei-me para agradecer o empurrão salvador e para minha surpresa não havia pessoa alguma.(Emocionado desde então, sou eternamente grato) A lição agora à luz do seu texto fica para mim melhor explicada e entendida. Um Ser Integral, me advertiu da muita vida por viver "até apreender o suficiente para não mais precisar deste (meu) corpo denso."
Sou muito grato mais uma vez!


*yone piras*
Inserido em: 2007-05-04 08:05:50


Achei o artigo bem escrito.
Penso que o conhecimento tem partes herdadas, outras construídas e é impermanente considerando a oportunidade de usá-lo ou não, dependendo de nossa possibilidade.
Não tenho tendência à verdades absolutas, pois cada um é cada um, mas acho uma teoria bastante interessante.
Não falo como budista, pois sou uma estudante iniciante.
Agradeço a oportunidade da leitura e a possibilidade de outras que poderão vir.



*Pedro*
Inserido em: 2007-05-04 00:50:02

Bom texto. Não sei se escreveste por meio da visão Espírita da organização corpo-espírito, mas sendo a resposta Sim ou Não, teu texto condiz muito com a doutrina. Em pequenos detalhes, talvez, dê o corpo como a causa de efeitos que designamos ao espírito, mas já que citaste Einstein, lembramos que ele mesmo disse: Tudo é relativo.
Então dependendo do ponto de vista, gostei sobre a teoria sobre o Ser Intgeral, a Partícula Espírito-Matéria. Ela lembra muito o que vemos, pelo Espiritismo, como o primeiro dos três corpos: Espírito, o que realmente somos, onde realmente guardamos sentimentos, emoções e lembranças, circundando pelo meio semi-material, o Perispírito.

Entretanto, sem entrar muito no mérito da doutrina, adorei o texto e o convite que fizeste. Sempre é bom enriquecer nossos conhecimentos com palavras de quem acredita no que fala. Meus parabéns :]


*Grimmwotan*
Inserido em: 2007-05-03 16:59:53

Háils!!!

O artigo em sí é muito bom, mas ele não nos leva a um ponto de vista moderno, ele na verdade nos alerta para os pontos de vista que estão contidos em livros como os Vedas, os Tantras, Em afirmações do Druidismo sobre os Modurans Aouds.
Se observarmos a natureza da Mônada que o texto demonstra, veremos que ela fala da relação da Mônada central com o Mundo que a Cerca, e isso é exatamente a forma como o Sistema Enochiano aborda o mundo, vendo-o como a relação direta entre a Mônada ( o núcleo central ) com o Universo experenciado a sua volta.
Se observarmos com calama, veremos que isso é uma retração direta da relação de Bindu e Maia, ou seja o ponto de vista Hindu sobre Shiva e Kaly, por exemplo.
O Sri Yantra demonstra isso, tendo o ponto central rodeado dos entrelaçamentos das experiências, ou seja os triângulos a sua volta, que constróem a forma de lidar com o mundo a partir do ponto de vista do núcleo.

http://www.spiritual.com.au/images/meditation/shri-yantra.jpg

Um abraço.
Grimmwotan.


*Militão *
Inserido em: 2007-05-03 00:39:09

Sua colocação possui uma certa lógica se imarginarmos tal particula, mas vamos para de imaginar e ver algo mais real. Hoje em dia pesquisas já provaram a existencia de algo no corpo humano que armazena todas as informações que seria o DNA claro que com certeza você já teve ter lido a respeito disso e como isso mudo toda uma visão de mundo que tinhamos até está descoberta. Acredito que esta sua visão de ser integral sobre esta particula é muito interesante mesmo não tento lido do o artigo, penso que para fortificar esta sua ideia você tenha que usar elementos mais reais a existencia de um ser unico imutavel e eterno já foi muito usado na filosofia começando por Parmênides até a filosofia contemporanea, esta teoria também parece passar uma visão muito espiritualista da coisa como se fosse algo que não existisse. Desculpe pela critica mas é aquilo q penso !!!


*Jefferson*
Inserido em: 2007-05-02 22:38:33

ótimo artigo!!! sensacional... em pouco texto, conseguiu expressar muito da complexidade verdadeira do "ser"... uma ótima analogia do mineral e animal, da matéria e da alma. Muito bom.


*Marcos Simões*
Inserido em: 2007-05-02 21:50:29

O Ser Integral é fruto de cada vivência, cada evolução ou não (pode permanecer durante uma vida estacionado na mesma posição anterior). Mas sempre estará a caminho do desenvolvimento total, completo. Poderá durar séculos, milênios. Não importa. Cada um, individualmente, ditará o tempo necessário a esse crescimento. Através dos atos praticados nas existências subirá ou estacionará no degrau evolutivo. Nunca retrogradará.
Trará, na nova vida, todo conhecimento adquirido em outras vidas. Mas dependerá sobremaneira do corpo físico com que irá se juntar. Se esse corpo tiver alguma deficiência genética ou anatômica, dificultará bastante o pleno desenrolar de todos os conhecimentos e habilidades conquistadas. Servirá como uma espécie de reparação, de suportar o que por ventura tenha feito em uma outra estada material-espiritual.
Por outro lado, um corpo sem qualquer anomalia e com um Ser Integral desenvolvido será chamado de super dotado ou gênio.
Fernando, isso é o que a vida atual tem me sugerido. A percepção minuciosa de tudo o que acontece (aconteceu) ao meu lado ou comigo mesmo, com meus amigos, vizinhos, parentes, conhecidos, etc. serve (serviram) de ensinamento e entendimento - se é que posso dizer assim, visto ser impossível saber os desígnios da Providência.
Parabéns pela explanação de um assunto por demais complexo.


*João da Rocha Labrego*
Inserido em: 2007-05-02 20:54:09

Eu ainda não li o texto mas só para me adiantar essa teoria não é quase a mesma dos memes?


*Ana karenina*
Inserido em: 2007-05-02 20:52:23

Maravilhoso seu artigo ,Fernando Soares Campos
somos felizes em ter brasileiros de alto dom intelectual como voce


*Rafael Cherem*
Inserido em: 2007-05-02 19:12:33

Simplesmente fascinante...


*Ricardo(cadinho)*
Inserido em: 2007-05-02 16:33:30

Muito bom o texto mas tenho algumas dúvidas. O autor diz "...uma ínfima partícula de matéria, parte integrante do nosso corpo individual, na qual estariam registrados, através de códigos universais, todos os conhecimentos, todas as ciências, tudo sobre o universo que conhecemos e todo o infinito potencial a ser revelado." Se essa partícula possui TODO O CONHECIMENTO, como foi a ela passado essa informação? Foi através de uma determinada pessoa, incluida numa sociedade, que chegou a um "estágio final" de conhecimento? E se surgir, como vem acontecendo, novas invenções humanas? Alguém já teria passado por isto antes?


*Bernardino Cosobeck da Costa*
Inserido em: 2007-05-02 15:08:57

Li e analisei o artigo acerca do "Ser Integral", de Fernando Soares Campos, e posso dizer que o autor aludido denota um demasiado raciocínio lógico. Gostei muito da perpectiva do autor.


*Marco*
Inserido em: 2007-05-02 14:57:06

Hum, não creio que haja argumento suficiente para explicar evolução na dita existência; isso não torna o texto ruim. Muito bom.