O texto de Emir Sader que a justiça condenou
2006-11-01 18:48:23

"A gente vai se ver livre desta raça (sic), por, pelo menos, 30 anos", disse o senador Jorge Bornhausen (PFL). Ele merece processo por discriminação, embora no seu meio - de fascistas e banqueiros - é usual referir-se ao povo dessa maneira - são "negros", "pobres", "sujos", "brutos".

“A gente vai se ver livre desta raça (sic), por, pelo menos, 30 anos” (Jorge Bornhausen, senador racista e banqueiro do PFL)

O senador Jorge Bornhausen é das pessoas mais repulsivas da burguesia brasileira. Banqueiro, direitista, adepto das ditaduras militares, do governo Collor, do governo FHC, do governo Bush, revela agora todo o seu racismo e seu ódio ao povo brasileiro com essa frase, que saiu do fundo da sua alma – recheada de lucros bancários e ressentimentos.

Repulsivo, não por ser loiro, proveniente de uma região do Brasil em que setores das classes dominantes se consideram de uma raça superior, mas por ser racista e odiar o povo brasileiro. Ele toma o embate atual como um embate contra o povo – que ele significativamente trata de “raça”.

Ele merece processo por discriminação, embora no seu meio – de fascistas e banqueiros – sabe-se que é usual referir-se ao povo dessa maneira – são “negros”, “pobres”, “sujos”, “brutos”, - em suma, desprezíveis para essa casa grande da política brasileira que é a direita – pefelista e tucana -, que se lambuza com a crise atual, quer derrotar a esquerda por 30 anos, sob o apodo de “essa raça”.

É com eles que anda a “elite paulista”, ultra-sensível com o processo de sonegação contra a Daslu, mas que certamente não dirigirá uma palavra de condenação a seu aliado estratégico (da mesma forma que a grande mídia privada). São os amigos de FHC e de seus convivas dos Jardins, aliados do que de mais atrasado existe no Brasil, ferrenhamente unidos contra a esquerda e o povo.

Mas não se engane, senhor Bornhausen, banqueiro e racista, muito antes do que sua mente suja imagina, a esquerda, o movimento popular, o povo estarão nas ruas, lutarão de novo por uma hegemonia democrática, anti-racista, popular, no Brasil. Muito antes de sua desaparição definitiva da vida pública brasileira, banido pelo opróbio, pela conivência com a miséria do país mais injusto do mundo, enquanto seus bancos conseguem os mairores lucros especulativos do mundo, sua gente será defintivametente derrotada e colocada no lugar que merece – a famosa “lata de lixo da história”.

Não, senhor Bornhausen, nosso ódio a pessoas abjetas como a sua, não os deixará livre de novo para governar o Brasil como sempre fizeram – roubando, explorando, assassinando trabalhadores. O seu sistema, o sistema capitalista, se encarrega de reproduzir cotidianamente os que se opõem a ele, pelo que representa de opressão, de expoliação, de desemprego, de miséria, de discriminação – em suma, de "Jorges Bornhausens".

Saiba que o mesmo ódio que devota ao povo brasileiro e à esquerda, a esquerda e o povo brasileiro devotam à sua pessoa – mesquinha, desprezível, racista. Ele nos fortalece na luta contra sua classe e seus lucros escorchantes e especulativos, na luta por um mundo em que o que conte seja a dignidade e a humanidade das pessoas e não a “raça” e a conta bancária. Obrigado por realimentar no povo e na esquerda o ódio à burguesia.

Emir Sader, professor da Universidade de São Paulo (USP) e da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (Uerj), é coordenador do Laboratório de Políticas Públicas da Uerj e autor, entre outros, de “A vingança da História". 

Agosto de 2005    

    





Este espaço é mediado, sua mensagem será liberada após a leitura da NovaE

Nome:
E-mail(Não será publicado):
Manifeste-se:
Código:
Digite o código:


*Ruy Chapéu*
Inserido em: 2007-07-01 18:44:06

Quem vê pensa que movimento popular tem que ser de esquerda.


*Andreza Barreto*
Inserido em: 2007-06-27 01:16:08

A nossa direita é burra...
Se esse néscio tivesse utilizado o termo "estirpe" no lugar de "raça", certamente não levaria a pecha de "racista", pq ninguem iria compreendê-lo. e, de quebra, ele ainda soaria cult...


*Juarez Guilhon Lucas*
Inserido em: 2007-02-19 23:40:25

Desejo sintetizar minha posição de apoio e solidariedade a esse vulto notável do nosso país, que é Emir Sader, com uma só frase: a Justiça brasileira mostrou mais uma vez que é elitista.


*Eloisa Elena*
Inserido em: 2006-11-07 10:33:27

Eu enquanto leitora, eleitora e cidadã brasileira venho me manifesar a favor do professor Emir Sader. Afinal, houve uma atitude racista do senador em questão, muito grave e passivel de punição pela justiça brasileira, já que racismo é crime inafiansável. Não se pode inverter a verdade dos fatos e acusar alguém que fez a denuncia de racismo e quem o praticou ser transformado em vítima.
Isso é manipulação.
O Brasil está mudando para ser um pais livre e lusto, finalmente, e as elites brasileiras ainda n. perceberam isso ou não aceitam isso.
Sds,
Eloisa Elena.


*José Lopes*
Inserido em: 2006-11-05 17:30:55

Tenho que esta decisão judicial é puramente política. O que Emir sader disse em seu artigo é leve comparado ao estrago feito no meio petista. Por curiosidade acessei o Google e pesquisei: juiz Rodrigo Cesar Muller Valente, juiz que sentenciou Emir sader. Veio então além do nome e sobrenome do juiz em questão uma ata do TRE -Tribunal Regional Eleitoral do Estado de São Paulo, onde constava o nome do desembargador Mario Cesar Mullher Valente, com esse nome e sobrenome só pode ser um parente do juiz que julgou o processo do Emir Sader. Este desembargador estava tomando posse como corregedor e vice- presidente do TSE. E vejam que esteve em sua posse conforme a ata: Vice-governador, Claudio Salvador Lembo, neste ato representando o governador de São Paulo, Geraldo Alckmin; Deputado Rodrigues Garcia, Presidente da Assembleía Legislativa; Desembargador Celso luiz Limongi, presidente do Tribunal de Justiça do Estado de são Paulo, desembargador Pedro Barbosa Pereira Filho, representando o ministro do TSE Ministro Gilmar Mendes; Prefeito de São Paulo José Serra e várias dezenas de convidados entre estes desembargadores, Generais, Almirantes e diversas outras autoridades .O deputado Rodrigo Garcia presidente da Assembléia Legislativa é do PFL, partido do senador Jorge Bornhausen. Alguém em sã consciência poderia supor que "dessa raça" poderia SAIR uma sentença favorável a Emir Sader? Confiram com seus próprios olhos: www.tre-sp.gov.br/sesoes/atas/ata/8522.htm Se não conseguirem acessem no Google ou outro site de busca: ATA DA 8522ª SESSÃO,EM 23 DE MARÇO DE 2006. NÃO DÁ PARA REFLETIR E TIRAR AS NOSSAS PRÓPRIAS CONCLUSÕES? TERÁ HAVIDO TRÁFEGO DE INFLUÊNCIA? DEUS É QUEM SABE! E eu também...com quase toda certeza.


*Marcia Simon*
Inserido em: 2006-11-05 11:34:07


Dizer que o texto é excelente, é redundância. Parabéns
Prof. Emir Sader! Fique tranquilo, no final o sr. vencerá por-
que a verdade sempre vence, nem que demore. O mesmo a-
contece com o progresso: ninguém o detém, só atrasa um
pouco. E é exatamente isto que tem feito a nossa elite di-
reitista, mas não adianta, o mundo caminha rumo a evolu-
ção, apesar da oposição deles. Se estivéssemos em 1886,
em vez de 2006, tenha certeza que todos eles (PSDB, PFL,
Veja, Globo, Estadão e Folha de SP) seriam escravocratas.


*Ruth Almeida*
Inserido em: 2006-11-02 06:56:08

Belíssimo texto, sobretudo o 5º parágrafo; ele é que será colocado na lata de lixo da história.