Carta Aberta a Arnaldo Jabor
2006-10-17 11:54:24

De Mauro Carrara

Quase perfeitíssimo truão,

Primeiramente, atente ao substantivo, e não desconfie de insulto. Os bobos da corte são, historicamente, mais que promotores de fuzarca ou desvalidos a serviço do entretenimento. Os realmente talentosos urdiam na teia das anedotas a crítica a seus senhores monarcas, traduzindo pela ironia a bronca popular.

Era o caso do ácido e desengonçado Triboulet, vosso patrono, uma espécie de grilo falante capaz de estimular as consciências de Luís XII e Francisco I. Tantos outros venceram no ofício, como o impagável Cristobal de Pernia, uma espécie de conselheiro extra-oficial de Felipe IV.

Neste Brasil da pós-modernidade globalizante, el rei Dom Fernando Henrique Cardoso reviveu a bufonaria. No entanto, empregou-a de modo diverso, quase sempre como dissimulação hilariante para desviar atenções de sua ética de conveniência mercantil, tão bem definida por Dom José A. Gianotti, seu filósofo e encanador.

O ex-monarca utilizou ainda sua trupe de falastrões para promover a alienante festa pública sugerida por Maquiavel. Portanto, nunca é exagero te parabenizar pelo empenho profissional. Há anos, na ribalta televisiva, te devotas a divertir e iludir os "psites do sofá", mesmo depois que o tiranete a quem servias foi apeado do trono. Sempre diligente, conclamas e incitas, rebolando patranhas tal qual histriônico cabo de esquadra do restauracionismo.

Recentemente, contudo, causou-me espanto tua fúria salivante para edulcorar a participação do embusteiro Geraldo Alckmin no embate contra o grisalho herói de todos os sertões.

Como é próprio de teu ofício, fizeste rir ao embaralhar significados, ao abusar das hipérboles, ao exceder-se nos adjetivos impróprios, ao viajar na maionese das idéias desconexas.

No entanto, truão Jabor, prosperou aqui a dúvida. Que quiseste dizer com o clichê "choque de capitalismo"? Seria referência ao rombo de R$ 1,2 bilhão legado pelo embusteiro alquimista ao ressabiado governador Lembo? Ou seria apenas ironia herdada de teus predecessores, na profecia zombeteira de um novo "que comam brioches"?

Destacam-se também, como enigmas, tuas dupletas acres de escassa teoria. São os casos de "socialismo degradado", "populismo estatista" e "getulismo tardio". Eita, nóis! Que essas vigarices binárias nos viessem, ao menos, com sal de fruta. Né? Ora, de qual "socialismo" tratas? Será que resolveste, no supletivo dos sexagenários, estudar a industria cultural e as idéias de Adorno? Hum... Pouco provável.

No que tange ao termo "populismo", arrisco uma resposta. Tu o compraste na escribaria de ordenança dos novos donatários. É coisa do bazar de tolices de Civita e Frias Filho. Acertei? Diga aí...

Mas o que queres dizer com "getulismo"? Pelo que percebi, escapa-te o fenômeno à compreensão histórica. Tratas daquele do Departamento de Imprensa e Propaganda? Ou te referes àquele das necessárias justiças trabalhistas?

Outros exageros me encafifaram em tua anedota de encomenda. Tratas lisergicamente de um São Paulo "rico", como se construído dos empenhos da malta quatrocentona. Em teus seminários de apedeuta, desapareceu o povo. Evaporaram-se João Ramalho, Bartira, Tibiriçá, Anchieta, tantos mamelucos arabizados, tantos avós europeus aqui remixados, tantos irmãos nordestinos que ergueram nossos arranha-céus. Teu São Paulo mítico, tristemente, não admite a antropofagia.

E tem mais... Em tua pregação, o embusteiro Alckmin surge como legítimo herdeiro da alva elite construtora do progresso. Nesse delírio pós-positivista e lombrosiano, não há rastro da gestão criminosa dos privateiros tucanos, dos sonegadores dasluzeiros, dos pedageiros corruptos e dos sócios do marcolismo. Não te rendeste ao excesso? Ai, ai, ai...

Agitando guizos, executas tua prestidigitação. Empregas, em simultâneo, o sapato pontudo para alojar sob o tapete o sacrifício juvenil na Febem, as nove centenas de contratos irregulares e o estupendo assalto ao tesouro da gente bandeirante. Não exageraste? És bufão ou advogado, truão Jabor?

Entre tuas deformações, tão valiosas ao ofício, suponho até mesmo a cegueira de um olho. Ignoras o júbilo de milhões de vassalos não mais famintos, agora metidos a escrever o próprio nome. Vê, quanto atrevimento! Tampouco registras a voz de ameríndios e afro-descendentes, agora perigosamente mais próximos de ti, a tomar lugar nos bancos da universidades. Não enxergas a energia elétrica nos grotões nem o canto de esperança dos humildes da terra, fortalecidos em cooperativas de produção.

Depois, qual demiurgo de botequim, dizes que o nasolongo Alckmin é "incisivo", enquanto o outro te parece "evasivo". Ladino que és, julgas os combatentes pelo aspecto cênico e não pela natureza das idéias. No caso do embusteiro alquimista, excedes ao elogiar o espantalho bélico, aplicadíssimo ao método stanislavskiano. Ora, magnífico truão, todos vimos que o herói de todos os sertões é adepto de outra técnica. Pisa o palco de Brecht, revelando-se como realmente é, antes que se mistifique no papel de fundeiro de microfone.

Cantaste, portanto, a vitória do "limpinho", do "sem barba", do malcriado que imita Tyson. Como líder de torcida, vibraste na platéia, tuas pernas flácidas saltitando de contentamento, as mãos agitando invisíveis fitas coloridas. Ah, mas perdeste a razão...

Depois, destilaste teu parvo sarcasmo sobre o "povo", sobre a "mãe analfabeta" do operário e sobre os "pobres", em suma, sobre esses todos do "lado de cá". Na piada rancorosa, revelaste um desprezo moldado para a auto-proteção.

Sabes o quanto é doloroso viver deste lado da linha, no território dos anônimos, dos que sofrem e trabalham de verdade.

Se há dialética nesta missiva, agrego teus motivos. Sabes o valor de uma adoção real, ainda que precises caminhar de quatro, atado à coleirinha de el rei. Sabes o quanto é estratégica essa assepsia, esse descontato com o ímpio das ruas, dos campos e das construções.

Assim, me permito uma visita a teu passado. Tua obra "séria" resultou, caro truão, em enorme fracasso. E, disso, bem sabes. Por um tempo, tuas ventosas de sanguessuga agarraram algumas tetas públicas. Desse modo, pudeste alimentar teus espetáculos de terceira categoria, ainda que fizessem rir quando a intenção era pretensiosamente induzir à reflexão.

Incerto dia, pobre de ti, todo o oportunismo de parasita foi castigado, de modo que te encontraste novamente vadio, mergulhado na mais profunda frustração. Naquele momento, julgo, buscaste inspiração em Triboulet...

Na Vênus Platinada do decrépito Marinho, iniciaste tua pândega panfletária, calcada na manipulação marota de cacos de idéias. Nada por inteiro. Coerente para quem, por natureza, carece de integridade.

Esse flashback permite, portanto, compreender melhor o roteiro cínico. Tanto faz se teu senhor largou o reino às escuras, se destacou piratas para pilhar o patrimônio público, se foi incompetente até mesmo para empreender no capitalismo que tanto celebras. Às tuas costas, no tempo, estende-se a terra arrasada pela peste do egoísmo, habitada de fariseus neoliberais e de peruas ridículas e mesquinhas. Por meio da ruidosa retórica de falso indignado, desvias o olhar público dessa paisagem da tragédia.

Para seguir o ato farsesco, fazes descer o pano da falácia sinistra do golpismo lacerdista, da distorção, da maledicência e da espetacularização do rito inquisitório. Simulas ver aqui, em alto grau, o que ignoras ali. Na telinha da "Grobo", distribui sofismas, injetas no sangue de Otello a desconfiança, patrocinas a intriga nacional.

Poder-se-ia encontrar em ti o personagem Sacripante. Uma observação acurada, entretanto, revela mais um Silvério dos Reis das artes cênicas. Certa vez, me disse Henfil: "o pior humorista é o que vende sua comédia aos canalhas que fazem o povo chorar". Simples, didático, serve à elaboração de um código de ética de tua categoria.

Pois, tua notícia deturpada do embate, devotado truão, mostrou-se cômico engodo. Foi lá, teu embusteiro "truco-lento" dar com as fuças na parede. Saiu do campo laureado e enganado, pior que Pirro. Este, menos imbecil, admitiu que a vitória contra os romanos fora uma tragédia, o prólogo de sua ruína.

Portanto, o exemplo da derrota também te serve. Decisivamente, ainda que te gabes, jamais superaste Paulo Francis, o bobo da corte mais destro nessas artes de sabujo-rabujo. E se cultivas alguma pretensão de hegemonia, te sugiro mover o pescocinho atrofiado. Pilantrinhas peraltas, como Mainardi e Azevedo, emparelham já contigo, disputam hidrofobicamente a suprema magistratura da bufonaria.

E, percebe truão, que a dupla tonto-fascista não te fica a dever: são também inescrupulosos, traiçoeiros e carregam a poderosa energia do ressentimento, sem contar que igualmente migraram do fracasso profissional para a aventura mercenária midiática.

Por fim, adorável truão, ajusta o relógio da tua soberba. Não é hora de celebrar a ignomínia convertida em comédia. Nem é momento de levantar a horda de rufiões da "ética" para cantar a vitória restauracionista. Para além dos simulacros do teu moralismo cínico, lambuzado de paroxismos impróprios, exercita-se o sabre do julgamento público, implacável, aquele cuja lâmina é afiada pelo tempo. Subiram os letreiros... Perdeste o charme. Perdeste a graça.

Nota de Boca de Mídia sobre o autor:

Mauro Carrara é jornalista, nascido em 1939, no Brás, em São Paulo. É o segundo filho de Giuseppe Carrara, professor de Filosofia em Bologna, e de Grazia Benedetti, uma operária e militante comunista de Nápoli. O casal chegou ao Brasil em 1934, fugindo da perseguição fascista. Mauro foi para a Itália em 1959, por sugestão do amigo dramaturgo G. Guarnieri. Em Firenze, estudou arte, ciências sociais e comunicação. De volta ao Brasil, passou dois anos na Amazônia. Ao atuar na defesa dos povos indígenas, foi preso pelo regime militar. Libertado, voltou à Itália. Como free-lancer, produziu reportagens para jornais como L’Unita e Il Manifesto. Com o primo Antonino, esteve no Vietnã, no início da década de 70. Em 1973, no Chile, juntou-se à resistência ao golpe contra Allende. No Brasil, como clandestino, aproximou-se do cartunista Henfil, cujos trabalhos traduziu para uma revista alternativa italiana. Na década de 80, prestou serviços para a ONU em países como China, Iraque e Marrocos. Nos anos 90, assessorou ONGs brasileiras, especialmente na área de Direitos Humanos. Ainda atua na área de comunicação e relações internacionais. 





*Edson fly*
Inserido em: 2010-01-27 17:45:14

Bem, eu predendo fazer uma faculdade na aréa no que chamamos de comunicação social, obvio que não devo deixar de ler seus trabalhos de Pai de Santo não charlatão.
Alias por que você ainda não escreveu algum, dessa natureza para desmascara os demagogos Politicos Pernambucanos ?
inclusive o Governador Dudu este neto de Arraes, saudoso heroi e pai dos desvalido da ainda logingua terrinha pernambuco capital dos capitães e coroneis ditadores . transvestidos de Socialistas , Populistas Populares que sustentam-se no rabo do cometa Luiz inacio "Lula da Silva".
Que como todo cometa... Já passou??
Afinal estamos em 2010 .
Dudu presta atenção e não confudas aliados com cabras eleitoras. E o papo das organizações socias de saúde só engoli quem nunca viu e ou não sabe que trata-se de um produto de qualidade tucana importada da Capital Paulista SP.
E o Pt Pernambucano o que diz a respeito dessa investida??
Simplesmente sobe na tribuna Estadual e aprova.Coronel??
ou descupas Governador??Presta atenção que aliados não são cabras eleitoras.
Grato pela oportunidade .
Edson fly.




*GilsonSampaio*
Inserido em: 2009-11-12 17:16:09

Mauro Carrara escreve regularmente aonde?
Por favor, não prive do prazer de lê-lo.
Atenciosamente,
GilsonSampaio


*MARYANNA*
Inserido em: 2009-06-19 22:38:40

SOU FÃ DE CARTERINHA DO JABOR E ACHO QUE MUITOS O INVEJAM......GRANDE JORNALISTA CRÍTICO, AUTENTICO, E DE SINISTRO ELE NÃO TEM NADA......APENAS É UM MONSTRO SAGRADO DENTRO DO JORNALISMO.....

MARYANNA CARRERAH


*Geralda Maria Rezende*
Inserido em: 2009-04-12 19:37:52

Não tenho a cultura que o jornalista Mauro Carrara expressou ter escrevendo essa crítica a Arnaldo Jabor, mas deu para entender muita coisa. E quero fazer coro com o pessoal que disse estar de "alma lavada", pois eu também não gosto desse cara, como disse Maneca - Jabor é "uma personalidade meio sinistra".


*maneca*
Inserido em: 2008-12-11 16:44:47

Caro Alcides,

Obrigado pelo "burrinho". Só que o burrinho aqui realmente detesta obras e romances literários. Passei a minha adolescência devorando enciclopédias: Barsa, Delta-Larrouse, Brittanica, Conhecer. Pelo que eu sei, estes não são os livrinhos infantis do Paulo Coelho. Também sou leitor assíduo de revistinhas "idiotas" tipo: Scientific American e National Geographic (americana). Tenho formação científica rígida. A linguagem científica tem que ser objetiva, direta, sem dualismos, nem enfeites, nua, crua, eficiente. Se a a carta é para o Jabor, por que o tal do Carrara não manda um email pessoal pra ele?, por que publicar em um blog? Agora, mudando de assunto, gostei da sua expressão "Mas na carta do Carrara tudo se adequa perfeitamente ". Adorei o verbo "adequa", se vê bem que você conhece bem o idioma. Pense dez vezes em chamar alguém de burrinho, principalmente se não tem cacife pra isso. Careço de formação: tenho doutorado em Biologia na França e falo 3 idiomas. Realmente sou um analfabeto completo...Contudo a minha maneira de escrever "se adapta" e não "se adequa" às pessoas com quero conversar, o nome deste processo é: Adequação vocabular. A propósito, continuo achando este texto enfadonho e mais chato do que ler o Diário Oficial e escutar a Voz do Brasil.
Ps:tenho pena de quem lê Paulo Coelho. Que tal ler um pouquinho de ciência e ler um livrinho de um autor "burrinho" chamado Carl Sagan :"O mundo assombrado pelos demônios".
Lá você verá, aí sim, uma mente brilhante que sabe colocar idéias complicadíssimas de uma maneira simples e alegre, pra todos entenderem: burrinhos e einstensinhos. Críticas geniais podem ser feitas com linguajar simples e assim mesmo continuar passando uma idéia genial. O que importa é a emoção, o humor, a idéia em si que se transmite em um texto, ninguém precisa usar a Academia Brasileira de Letras, o Aurélio, com Michaelis e o Houaiss , ou ressuscitar o Machado de Assis ou o Eça de Queirós (que escreveste com Z, e é Queirós) pra passar grandes idéias. 70% do povo brasileiro é analfabeto funcional, escrever deste jeito, é ou não ser elitista?. O grupo de burrinhos do qual falas é simplesmente a maioria do nosso sofrido povo, que fez o curso médio em supletivos de segunda linha. Pense bem bem nisso... caro amigo Alcides.


*alcides*
Inserido em: 2008-11-26 01:43:36

Maneca:
Talvez se o texto se dirigisse ao grande público não fosse conveniente usar essa linguagem. Mas é dirigido ao Jabor.
Quando dizes que o texto é confuso, penso que deves ter lido pouco. Pesado até pode ser, principalmente para quem carece de formação. Mas confuso... O texto é claro e nem de longe é apenas ornamental. As idéias que ele carrega são bem fortes e verdadeiras. Além disso contém uma ironia muito fina, que poucos são capazes de fazer. Se não o leste inteiro, és bastante leviano ao falar desse modo do autor.
Juridiquês.... Quem dera os advogados escrevessem assim. Eu não usaria esse estilo numa petição judicial (por uma necessidade prática), mas não se pode confundir texto "enrolão" com esse tipo de escrita que vimos. Uma coisa é usar palavras rebuscadas apenas por enfeite, sem um propósito claro. Nesse caso o texto fica mesmo tolo. Mas na carta do Carrara tudo se adequa perfeitamente e visa a revelar alguma idéia. Se o leres direitinho verás que é genial.
Deves achar que a linguagem precisa se nivelar por baixo, né? Ou que deve ser o mais simples possível para que burrinhos a entendam... Talvez até aches que o Paulo Coelho é melhor que Eça de Queiroz ou Machado de Assis. Pára... Adoro linguagem simples, mas daí a dizer que esse texto é apenas exibicionismo...


*Maneca*
Inserido em: 2008-11-13 14:19:37

Não sou nenhum fã do Jabor, trata-se de uma personalidade meio sinistra (intelectual, carregada, elitista, arrogante, muitas vezes senil); mas pelo amor de Deus quem é esse tal de Mauro Carrara, de que hospital psiquiátrico para filófosos saiu esta "gerimboca traquinante talhardeante trapizoidélica corroidal anbalista variante" (estas palavras... acabei de inventá-las). Sou biólogo, formação científica e odeio textos intelectualóides, filosofóides. Cara...!!!, meu amigo... , num país de analfabetos, escrever um texto que parece que foi elaborado por um poeta, filósofo, advogado de quinta e político enrolão, não passa de um exibicionismo literário patético. Parece-me um juridiquês de segunda. O texto é confuso, pesado, quase que ridiculamente afetado, praticamente ininteligível. Minha nossa ! Considerar um chato de galhochas desse como tendo um bom texto, vocês estão precisando urgentemente de fluoxecitna com Prozak e Haldol. Praticamente não consegui passar do segundo parágrafo de tão insuportável que é o texto, de tão afetado com palavras paleozóicas portuguesas. Um cara que escreve assim não escreve para divulgar suas idéias, é um maldito elitista intelectual. Pelo menos o louco do Jabor fala em Português terráqueo, esse Mauro Carrara (metido a Che Guevara da Velha Bota) se utiliza de palavras de um poeta senil pé-no-saco.
Uma vez um sábio disse:
"O bom escritor escreve com o coração, com a alma, não com o mecanicismo cerebral e a frieza das mãos. Escreve pouco, simples, expressa muito. Fala para as crianças, jovens e anciãos, é como nós, é um de nós". Caro Mauro Carrara e compatriota (tenho dupla cidadania: italiana), sinto muito dizer-lhe isso, mas da próxima vez escreva um texto em Português e não em filosofês-neo-transcendental-esquizóico, porque de chatos falando palavras marcianas já chega nossos políticos enrolões e o Caetano Veloso... :-)


*Leonardo*
Inserido em: 2008-10-14 01:06:34

Questão importante. Do que vive esse escritor??? Alguém sabe?


*denize paim*
Inserido em: 2008-06-06 09:39:00

Apenas para dizer que Arnaldo Jabor é o máximo... inteligente, bonito, sagaz e tantos outros adjetivos... Em um país de tantos burros e desmandos Jabor é um balsámo para nossa mente...


*eric f henriques*
Inserido em: 2007-11-21 18:13:58

Parabens pelo otimo portugues , coisa que não tenho.
Sou formado em econimia pela puc-rio com pos na fgv-am .Sou musico tambem pianista formado em conservatorio .
Atualmente residente em Manaus-am .Estudei com Eduardo Modiano , Persio Arida ,Andre Lara Resende e outros que de uma forma direta ajudaram a fazer o plano que ai esta .
Acho justo e merecido os insultos a Jabor . Mas não defendo esquerda criminosa que impoõe a um pais 40% de imposto ,indeces de desemprego nunca antes geristrado com crescimento medio de uma decada de 3% .Sem falar nos juros reais os maiores do mundo 8.4% ao mes. Uma divida interna que ja chega a um trilhão e duzentos bilhoes .Como todo filosofo não consegue equacionar os problemas economicos a dialetica para estupidamente .Tanto é verdade que Lula , nem se aproximou do timão economico , entregou ao banco central e ao Fmi .Não preciso e longe para provar que o maior problema desse pais é o emprego , até mais que a corrupção . E´so olhar os indeces não é parando a produção , tirando a poupança do setor privado que vamos emplacar 2010 . A violencia tem aumentado , Lula , não se mostrou um guerreiro digno de excalibur . Esse governo não é nem de longe capitalista nem tampouco socialista é uma coisa que nem adam smith nem marx conseguiram prever.
o estado virou uma especie de matrix . digo , governo sem condições de frear suas gastanças suga todo o sangue de uma soicedae toda individada no credito. um plano feito encima de uma classe media destruida. Resumindo , falar em em classes sociais , elite , esquerda , direita.. so existe duas classes hoje o governo e o resto do povo. Acho que os conceitos de vcs dois tão completamente equivocados.
De qualquer forma adorei o texto me acrescentou muito , bem criativo , captei tudo , sou amante de historia tambem e o que espero desse pais são pessoas como senhor , idealista que lutam pela causas que não precisam de ninguem para se convecer , possui sua propria dialetica , diferente desse presidente bunda mole que se agarra na democracia para esconder suas fraquesa pessoais. Lula se fundio a maquina pois não soube como enfrenta-la . bota o Brasil como sendo um paciente terminal onde o governo se fantasia de uma maquina de hemodialise. Quem tem que criar empregos é iniciativa privada não esse governo paraista gastador.
Temo tambem pela amazonia , os numeros não são verdadeiros.São Paulo vai para cima de Mato grosso do sul e rondonia ta virando pasto . 18 milhoes de hectare todo ano estão indo embora. 2003 a 2006 registrou-se o maior desmatamento da historia desse pais (BBC)


*maguito*
Inserido em: 2007-11-09 22:57:42

Caro Mauro,
Para quem viveu mais lá fora, parece que você está é muito fora do ar ou faz parte da recauchutagem da corrupção descoberta, ou é PTista doente.
Creio que poderá ser Alzheimer. Esquece tudo... ou é o efeito do Não sei de nada, não ouvi nada e não vi nada...
Também não sou fã do Jabor, mas que suas opiniões nos mergulham nos lamaçais pouco vistos ou entendidos que o atual governo faz, ah! sim, isto faz.
Caro, o Lula prometeu, e prometeu muito. Fez o povo, inclusive eu, acreditar nele e na sua equipe, mas hoje, após este tempo de governo somente vejo é minha decepção.
Não quero crescimento econômico às custa do povo, que afinal é cego e adora paternalismo - é o traço de nossa cultura - lei do Gersom, e outras mazelas mais. Não quero aumento de impostos, criação de imposto para manter programas sociais meramente paternalistas. Temos outros problemas mais endêmicos como a Educação e cultura, que se resolvidos certamente buscaremos o peixe com nossas próprias mãos (e varas!).
Gostaria de ver o país funcionar bem aqui dentro, para o nosso povo, afinal, o Brasil é ou não é dos Brasileiros?
Olhe bem os impostos, cpmf, corrupção, e tudo mais que seria banido ou controlado pelo Lula (o que foi prometido, e esquecido), mas... Você estava aqui? Tem certeza?
O poder subiu à cabeça, e de todos que estavam (estão) no barco.
Então, caro Mauro, reveja a história, principalmente no período que estiveste fora.
Se nem Jesus agradou à todos, nenhum Governo, mas nenhum Governo também o fará. Principalmente para quem nunca esteve no PODER...
Para finalizar: todos precisamos ter memória para lembrarmos. E para isto, precisamos de CULTURA e EDUCAÇÂO. É a base de qualquer NAÇÃO.
Abraços.



*Marcia Velasques*
Inserido em: 2007-03-09 18:44:01

Veja que texto maravilhoso!!!!

Binho!
Te Amo!!!!


*RUI*
Inserido em: 2007-01-27 17:18:58

Enfim uma critica a visão distorcida e exagerada de Jabor, em linguagem simples: o mauricinho de direita, intolerante foi desmascarado!!!!!!!!!!!!!

Parabens Carrara!




*Marlene*
Inserido em: 2007-01-27 12:46:38

Maravilhoso Sr. Mauro Carrara!
Pareceu-me que tens uma grande "dôr-de-cotovelo" com relação ao brilhantíssimo e adorado crítico Arnaldo Jabor.
ADORO ARNALDO JABOR e todas as suas críticas, suas crônicas e seus livros.
SOU JABOR E NÃO ABRO!
Quanto ao senhor, eu nunca sequer havia ouvido falar no seu nome, eu sinto muito.


*TeresinhaCarpes Castiglio*
Inserido em: 2006-11-27 17:09:08

Maravilhoso!!! Depois dos sessenta anos consegui me senta diante do meu primeiro computador sem curssar o segundo grau e nem faser cursso de computação !!! Estou lendo uma OBRA-PRIMA!!! não tenho mais palavras! Quero PARABENIZAR Mauro Carrara pelo primor desta Carta Aberta ePedir se posso assinar embaixo pois tudo que eu queria dizer o DR.Mauro disse ou escreveu ...


*Socorro*
Inserido em: 2006-11-10 00:24:25


Olha meu caro jornalista,de tanta raiva que tenho do cinismo do Jabor nem o escuto mais. Mudo de canal.
Mas, o senhor lavou-me a alma. Sabe que até fiquei com pena do Arnaldo. Coitado, como ele ficou pequeno!

Muito bom, parabéns. Essa espécie de ser humano precisa de umas boas lambadas de cipó de aroeira, parafraseando Geraldo Vandré, de vez em quando. Um tratamento de choque pra ver se vira gente.


*Edilson Ricardo*
Inserido em: 2006-11-01 11:03:37

Arnaldo Jabor???
Algum dia esta praga falante já foi de alguma importância para o futuro de nosso país?
Quando o FHC era presidente, também criticava abertamente, ou seja, vai de acordo com a maré ou para o lado que o vento sopra.
Canalha que nunca fez algo que presta.
Obrigado Mauro Carrara, obrigado por mostrar essa face horrenda da crônica brasileira!


*Renildo Carvalho*
Inserido em: 2006-10-31 15:27:56

Contra o Jabor eu concordo em tudo. Só não podemos esquecer dos amigos dele: GILBERTO DIMENSTEIN, por exemplo, o cara blefou. NÃO DIZ COISA POR COISA. A penúltima dele foi uma acusação aberrante como que o nordestino vive com o latifundio da seca. Que merda! Que fedor!


*Akhenathon*
Inserido em: 2006-10-30 18:57:46

Por que ele é "pseudo-intelectual de merda"? Porque tem a coragem de fazer sua crítica a Lula? Quem está correto no país, aqueles que bajulam o eterno candidato, o Robin Hood do ABC? Vão pro diabo, petralhas!


*randal*
Inserido em: 2006-10-30 07:38:04

A resposta que todos queriam dar a este pseudointelectual de merda!(desculpem a franqueza). Obrigado Carrara.


*Fidelis Estefan*
Inserido em: 2006-10-29 15:36:59

Momentos há que alguém fala exatamente o que pensamos de forma mais elaborada do que conseguiríamos. Este texto é um caso para mim.

Não me recordo de quem falou que o pior direitista é um ex-esquerdista - isso é a cara do truão.

fidelis


*Fernando*
Inserido em: 2006-10-28 13:33:06

Mauro

Competente, eficaz e eficiente sua crítica a Jabor. Este, pseudo-intelectual fascistóide, só alcança eco nos que, como ele, se arvoram em democratas centrados num discurso liberal, cujo mérito é iludir pelas suas prerrogativas universais. Sabemos bem que tal discurso defende apenas os mesquinhos e torpes interesses de uma classe dita dominante.
Esse Jabor, mais que palmadas, merece ser relegado ao limbo do esquecimento.


*Márcia Nogueira*
Inserido em: 2006-10-27 18:59:23

Bravo!!! Simplesmente brilhante, de lavar a alma.


*max maia montalvão*
Inserido em: 2006-10-27 09:44:09

Obrigado, Carrara.
E agora, Jabor. Peça licença e sai de cena. Vá para casa e faça um exame de consciência, se é que tens uma.


*Antero Colucci*
Inserido em: 2006-10-27 01:13:56

E salve a Internet, que nos possibilita a leitura de textos como este, que, infelizmente, não estão mais disponíveis na "grande imprensa".
Parabéns, Carrara! É de lavar a alma!


*Célia Maria*
Inserido em: 2006-10-26 23:56:23

Quero parabenizá-lo por ter tido a inteligência e coragem que muitos não tiveram,ao se pronunciar e responder a altura a arrogância do Arnaldo Jabor. Confesso que fiquei indignada ao receber o texto de amigos que votam no Alckimin, mas lendo esse texto-resposta, fiquei satisfeita,pois enviarei aos meus amigos "ALCKIMISTAS",rrs.Sinto-me satisfeita.


**Robson**
Inserido em: 2006-10-26 14:56:33

Para Adriano Lucio:

DISTORCEM com "e"? CEGUEIRA com "S"? PRESÍDIOS e GRISALHO com "Z"?
Quer criticar o Mauro Carrara? Então, não maltrate a nossa língua
portuguesa tão valorizada por este brilhante escritor.

(referente à primeira manifestação ao texto)


*Jorge Lima*
Inserido em: 2006-10-25 00:24:00

Já havia lido o excelente "Um ritual na igreja do ódio". Mas este que comento é uma maravilha. O estilo, debochadamente arcaico, num tom "Sir Walter Scott", é um tiro de sniper. A bala vai na cabeça.
Parabéns por ridicularizar com tanta elegância a besta histriônica que é Arnaldo Jabor.


*Tula Christ*
Inserido em: 2006-10-23 14:27:04

Perfeito!!!

È preciso repassar, precisamos que muito mais gente tenha acesso a esse texto maravilhoso.
Muito obrigada!!! Sinto- me também de " alma lavada".
Abraços.


*Meri Christ*
Inserido em: 2006-10-22 21:26:23

Obrigada!

em meu nome de de milhares, milhôes de brasileiros que em ti, tiveram direito de resposta!

beijos carinhosos


*Zekitcha*
Inserido em: 2006-10-22 18:46:54


Juscelino passou todo seu governo sendo acusado de ladrão, safado e corrupto pela direita udenista lacerdista. Não conseguiu eleger seu sucessor e perdeu de lavada. Em pouco tempo, entretanto, o povo se deu conta da grande maracutaia armada pela UDN. Porém, em 1964, o projeto político de Lacerda se concretizou. Mas, para seu desespero, o feitiço virou contra o feiticeiro, e Lacerda teve de amargar seus últimos anos fora da política. Agora temos diante de nós o Governo Lula sendo acusado de ladrão, safado e corrupto. E a mesmíssima UDN cacarejando sem parar. E, para piorar, uma mídia que não pára de ecoar essa choradeira. Se o Brasil hoje está melhor do que há 4 anos, pouco importa para a UDN. Afinal, o progresso os ameaça, já que seu projeto político é... Não ter qualquer projeto para o Brasil.
PS: sorte não termos mais um político do quilate de Lacerda para conspirar.


*Daniel Garro*
Inserido em: 2006-10-22 12:56:48

o melhor artigo que ja li, estou de alma lavada, parabéns!


*Gustavo Pereira*
Inserido em: 2006-10-21 18:32:27

Supremo o texto!
Alívio de longos anos tendo que assistir à hegemonia neo-polemicista de Jabor.
Numa situação um pouco mais séria, a guilhotina desistira do rei, bobo este, e desfilaria seu fio ao truão, este sim, da corte.


*CESAR*
Inserido em: 2006-10-21 16:47:56

Perdão pela minha pobreza de vocabulário.
NUNCA NA MINHA VIDA PUDE VER UM ESPORRO TÃO MERECIDO E BEM DADO!
Parabéns Mauro Carrara
O povo brasileiro deveria saber mais sobre a existência e opiniões de pessoas como você.


*Jorge Filó*
Inserido em: 2006-10-20 12:07:49

Um cordel para Jabor – Por Jorge Filó

Este cordel que apresento
Sem nenhuma pretensão
E mesmo que lhe pareça
Ser verdadeira a versão
Ainda que eu não garanta
É uma mera ficção.

Assim começa o cordel
Justo na reflexão
Tô falando do espelho
Da nossa imaginação
Que as vezes num belo dia
Prega em nós grande lição.

Como se Arnaldo Jabor
Num exame de consciência
Um belo dia acordasse
Com toda sua eloqüência
E em conversa mostrasse
Sua verdadeira essência.

"Caros amigos leitores
Eu sou Arnaldo Jabor
Cineasta e jornalista
Direitista e traidor
Também sou um caga-pau
Xeleleu e delator.

Do clã Roberto Marinho
Sou baba-ovo da hora
Digo só o que eles querem
Creio e nego, sem demora
Sou um neo-liberalista
Por enquanto, ate agora..

Um dia já fui esquerda
Era na luta engajado
No cinema brasileiro
Contestei fui contestado
Hoje meu cinema é outro
Pelo poder fui comprado.

Hoje voto na direita
No maior descaramento
Nego tudo que outrora
Mostrava em meu pensamento
Glauber Rocha tando vivo
Seria o meu tormento.

Mudei de convicções
As antigas companhias
Agora sou um amigo
Das grandes oligarquias
Digo tudo qu`eles mandam
Mentiras, patifarias.

É assim que a coisa anda
É assim que o mundo gira
Sou um lobo carniceiro
A serviço da mentira
Se eu não tirar o meu
Chega outro vem e tira.

Faço uso da palavra
Pra defender meu quinhão
Quero mais é que se f....
Quem defende esta nação
Meu caviá garantido
Para quê preocupação.

Sou perverso no que digo
E ainda sou respeitado
Pois a mentira é quem dita
Dita por quem ta do lado
Dos grandes exploradores
Do poder televisado.

Faço do verbo navalha
Quero mais é ta por cima
Vai viver sempre enganado
Aquele que subestima
A minha capacidade
De cagar uma obra-prima.

Agora devo ir embora
Meu trabalho me espera
Vou inventar outra estória
Para parecer de Vera
E quem ler sempre acredita
Na minha nova quimera."

Este cordel esquisito
Que acabamos de ler
É fruto do pensamento
Que acabo de escrever
Me chamo Jorge Filó
Em mim você pode crer.


Um forte abraço do poeta Jorge Filó.
Recife - Pernambuco - Brasil




*Jorge Rovira*
Inserido em: 2006-10-20 10:13:57

Grande MAURO CARRARA como sempre fantásticamente brilhante.


*Sérgio M. Prucoli*
Inserido em: 2006-10-19 20:32:03

O que esperar de alguém que sonha em ser o novo "Paulo Francis"... triste.
pro inferno com Jabor!!


*Edna*
Inserido em: 2006-10-19 19:34:00

Por opção, fiquei os ultimos 8 anos sem televisão e adquiri o saudavel habito de ouvir radio. Mas radios como a CBN, desde as eleições de 2002 tornam-se cada vez mais desagradaveis, pois varios comentaristas como Jabor, Mirian Leitão e Lucia Hipolito destilam diariamente seu negativismo, seu rancor, sua furia de elite destronada, sua dor de cotovelo de ver o Brasil caminhar e dar certo com Lula presidente.
Acho que o texto do Mauro Carrara lavou a alma de todos nos. Que felicidade!


*Flávio de Sá*
Inserido em: 2006-10-19 16:45:18

ARNALDO JABOR É UM PÁRIA!


*Arnaldo*
Inserido em: 2006-10-19 16:44:48

Fantástico! Fiquei, desculpe repetir o que tantos outros já disseram, de alma lavada. O texto vale também para o Diogo Mainardi e outros sabujos que envergonham o nosso jornalismo.
Vou me permitir usar o seu texto para responder aos pobres de espírito que me incomodam mandando cópia da crônica (?!) do truão.
Parabéns e obrigado, Mauro Carrara.


*Lauro Lustosa Neto*
Inserido em: 2006-10-19 16:40:09

" Subiram os letreiros... Perdeste o charme. Perdeste a graça."

Fantastico texto Mauro.

Disseste o que merece ouvir esse bufão, sem no entanto perder a classe, e sem partir para o desrespeito.

É uma pena que nem todos tenham acesso a textos assim.

Fico feliz por ser um desses poucos!

Divulgarei o máximo que puder. Até o próximo companheiro Marco.


*GILBERTO GONÇALVES*
Inserido em: 2006-10-19 14:25:33

Truão!
E mais não disse!
E pra que mais?
Truão!
Basta!

Valeu Carrara.


*Ricardo Brandão Castanheira*
Inserido em: 2006-10-19 12:45:26

Simplesmente brilhante! é uma pena que uma cabeça privilegiada como a do jornalista Mauro Carrara não esteja a serviço do Governo. Só espero que ele enxergue também o que precisa ser melhorado. Que o Lula entenda que iniciativas como o bolsa família e o PRO-UNI não sejam interpretadas como soluções definitivas. São importantes sim, pois resgatam a urgência dos que tem fome: de viver, de comer, de ser e de saber. Mas são insuficientes, se considerarmos que a revolução que necessitamos não pode excluir a "raiz" dos problemas, ou seja, investimento real e efetivo nos ensinos públicos fundamental e médio. Trata-se do verdadeiro passaporte para a cidadania e para, no futuro, nos tornarmos definitivamente, o país do "presente".


*Lia Mara*
Inserido em: 2006-10-19 11:39:12

Parabéns pelo texto! alguém tinha que se manifestar contra esse monte de ofensas do Sr. Jabor, pessoa indigesta que muito me causa asco. Faz tempo que estava eu esperando uma bos resposta para esse falastrão do Jabor; não vi ofensas nem trocas de farpas, o que vi foram palavras muito bem colocadas para uma pessoa que fez ou faz por merecer. Parabéns Mauro Carrara, isso sim é respeito pelo povo brasileiro.


*Luis*
Inserido em: 2006-10-19 11:13:35

Viva Mauro Carrara!
Te garanto que não é troca de farpas, te garanto "seufininho" que o texto é brilhante.Em todas as vírgulas, pontos e aspas.É na verdade o grito de um povo que esta aprendendo a ler nas e-n-t-r-e-l-i-n-h-a-s.



*MRRC*
Inserido em: 2006-10-19 10:00:40

Esse texto produzido por Mauro Carrara, muito mais me parece uma troca de farpas de cunho pessoal entre este autor e Jabour. O cubho político e social, que deveria ser impregado. ficou de lado para a criação de um texto, de certa forma, agressivo e muitas horas ofensivo.
No momento em que nos encontramos, de mensalões, sanguessugas, dossies, e outras ladroagens existentes, temos que discutir pensamentos e ideais políticos, e não se ater a miudezas pessoais, como as que foram colacada no texto acima.
Nós iremos sim evoluir, se paramos com essa idéia medíocre de discutir política e não de aplicar políticas.


*zanuja*
Inserido em: 2006-10-19 01:13:43

A carta q td brasileiro contrário a direita, gostaria de ter escrito. Parabéns.
Eu particularmente, tenho horror a Jabour. Sou discriminada diariamente por esse boçal, pq sou nordestina. Ele é o de q pior existe em matéria de bufão. Um nojo.


*Dalva Maria*
Inserido em: 2006-10-19 00:50:17

Hitler foi reprovado na Escola de Belas Artes. Jabor fracassou na carreira de cineasta. A história tem nos mostrado alguns desses "desastres".
Parabéns pelo texto e pela competência em mostrar o lugar que ocupa esse rato de esgoto chamado Jabor.
É LULA de novo!!!



*Jacaré*
Inserido em: 2006-10-19 00:17:31

Maravilhoso. Sem dúvida com esse texto, você fez sua a voz de muiots brasileiros, inclusive a minha: MUITO OBRIGADO!!!


*Mário Cândido de Oliveira*
Inserido em: 2006-10-19 00:14:01

Truão, truão, truão, truão!!! De alma lavada, essa eu não esqueço mais. Este texto ensina muito a todos nós que mesmo tendo a informação necessitamos estudar mais e mais. Esta carta tem que se transformar em um hino. Com certeza cada um de nós que ouvia e via o truão vomitar aquelas barbaridades só alimentava o ódio contra o odioso. Tivemos em muitas oportunidades a falta de capacidade para responder a quem propagava as idiotices do truão, mas até isto sabemos reconhecer. Infelizmente existem outros truões que se arvoram em defendê-lo. Pois não é que um outro truão teve coragem de vir aqui cobrar cultura como à dos franceses e ingleses, escrevendo em seu texto além do péssimo português, algumas pérolas, tais como: "segueira", "prezidios", "grizalhos", "talves"...
De qualquer maneira meu agora novo guru MAURO CARRARA, muito obrigado pelos ensinamentos.

Page of 2